A Groupon anunciou na semana passada que o Conselho de Administração adoptou um plano de direitos com duração limitada, que entrou em vigor a 10 de Abril de 2020. O Plano de Direitos tem uma duração de onze meses, terminando a 10 de Março de 2021, e destina-se a evitar as especulações em baixa sobre as acções e a assegurar que nenhum indivíduo ou grupo possa obter o controlo da empresa.

O Conselho de Administração tomou a decisão de implementar este plano tendo em conta o aumento substancial da instabilidade do mercado e da incerteza gerada pela pandemia.

Dada a actual conjuntura e os níveis de negócio sem precedentes, bem como a importância de manter o foco nas operações da Empresa, assegurando o bem-estar dos colaboradores e servindo os clientes, a Administração acredita que a adopção de um Plano de Direitos «é do interesse de todos os acionistas da Groupon«, tal como referido numa declaração oficial.

Este plano é semelhante aos planos adotados por outras empresas públicas e destina-se a promover o tratamento justo e equitativo de todos os acionistas da Groupon e a assegurar que nenhum indivíduo ou grupo possa obter o controlo da empresa pela acumulação de mercado livre ou de outras tácticas sem pagar um prémio de controlo adequado.

«O Plano de Direitos aplica-se igualmente a todos os acionistas, actuais e futuros e não se destina a desencorajar ofertas que sejam justas e/ou que sejam do interesse dos acionistas da empresa«, afirmou a Groupon.

 

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram