A Laskasas é uma marca de mobiliário portuguesa, elegante, memorável e contemporânea que experienciou um grande crescimento no online durante o período de pandemia. Na Ecommerce News Portugal tivemos a oportunidade de falar com Bárbara Almeida de Faria, Head of Ecommerce & Digital Marketing, que nos contou como estão atravessar o momento atual, o crescimento da marca e como chegou ao ‘online’ visto que estudou relações internacionais.

Ecommerce News Portugal (EcN): Pode explicar um pouco do seu percurso e como chegou à Laskasas? 


Bárbara Almeida de Faria (BAF): O meu percurso foi um pouco inesperado, tendo em conta que venho da área de Relações Internacionais no âmbito da Ciência Política. 

No entanto, a curiosidade que me caracteriza, fez-me experimentar um estágio extracurricular enquanto estudante na área do marketing digital, área essa que apesar de ainda pouco explorada a nível nacional, era já uma das que mais crescia internacionalmente.

Curiosamente, e olhando hoje para trás, vejo uma enorme utilidade e relação entre o estudo das relações económicas entre países e o e-commerce. 

Posto isto, na procura pelo meu primeiro emprego decidi então concorrer a uma vaga para digital marketer numa empresa do mercado SMCG, nomeadamente, no setor mobiliário. Foi então aí, que começou a minha caminhada pelo online e onde, realmente, afirmei a minha convição de que queria seguir carreira nesta área.

Os desafios foram enormes, uma vez que fazia parte da equipa digital que trabalhava a presença da marca a nível internacional e após resultados consistentes e um enorme voto de confiança, tive a felicidade de desempenhar um cargo de liderança nesse mesmo departamento.

Em 2018, e como aposta estratégica do grupo Laskasas para reforçar a presença e crescimento no online, surge a proposta para ingressar na equipa enquanto marketing manager. 

Ecommerce News Portugal: Qual é a grande aposta da Laskasas para se destacar nos mercados globais?

Bárbara Almeida de Faria (BAF): Um dos grandes focos estratégicos do grupo para o próximo ano é a expansão para novos mercados, tanto a nível físico como online. Atualmente, na loja online, operamos a nível nacional, mercado esse que conhecemos bem e temos consciência do posicionamento que conquistámos ao longo dos anos. A expansão além fronteiras no online é uma das estratégias de crescimento.
De referir também, que a nível físico, contamos já com lojas em território internacional, nomeadamente, nos mercados Europa, Médio Oriente e Africa, América Latina e Ásia-Pacífico.

Quanto à aposta do grupo a nível internacional, manteremos a mesma estratégia ao privilegiar a qualidade dos nossos produtos, posicionamento no segmento de classe média alta e tendo sempre o conforto como objetivo principal. 

Expandir o ecommerce para o mercado internacional sempre foi um dos nossos objetivos, sabemos que exige um bom planeamento estratégico e é, exatamante, nisso que estamos a trabalhar. 

Ecommerce News Portugal: Como é que são vistas e utilizadas as redes sociais? São o principal canal para marketing e publicidade? Como vê o marketing de influência na área do mobiliário e da decoração? 

Bárbara Almeida de Faria (BAF): As redes sociais são muito importantes para uma estratégia digital. Perceber onde está o nosso target e entregar-lhe bom conteúdo, devia ser uma prática prioritária para qualquer empresa. É uma estratégia que vemos como eficaz para obtermos os resultados que pretendemos, como por exemplo, ao nível do ROI.

O marketing de influência tem um impacto muito positivo na área do mobiliário, é imprescindível alinhar a nossa proposta de valor com o nosso target. O público cada vez mais, gosta de ver o que o seu influencer veste, come e tem em casa. A sensação de proximidade que os seguidores construem com os influencers reflete-se em na cofiança e intenção de compra das marcas e/ou produtos. 

EcN: É importante as imagens corresponderem o mais possível à realidade ou a ideia de “espaço de sonho” é o que se pretende transmitir?  

BAF: Acredito que a magia acontece com a junção dos dois conceitos. Por um lado aproximar, ao máximo à realidade, para que as pessoas percebam que têm um espaço real, e que com as opções certas poderão perfeitamente tornar no seu “espaço de sonho”.

EcN: Em relação ao online, qual é vosso tráfego? Como é feita a assistência ao cliente através do online? 

BAF: O nosso tráfego aumentou cerca de 50% em relação ao ano anterior. Apostar nos melhores canais e otimizar as nossas fontes de tráfego são os motores para o crescimento. Acredito que a nossa aposta numa lógica de melhoria contínua em relação ao “customer experience” e que a nossa assistência ao cliente, são uns dos nossos grandes diferenciais competitivos. 

O nosso foco passa por prestar uma assistência de excelência ao cliente, e por isso, contamos com uma equipa preparada para atender a todas as necessidades. Ajudamos o consumidor em todo o processo da sua jornada de compra, uma vez que, apenas uma pequena percentagem dos consumidores estão dispostos a concluir uma compra. 

O objetivo da nossa equipa passa por ter um impacto positivo, mostrar a relevância de um produto ou serviço, e a razão pela qual sermos a melhor opção para o fazer. Ao estarmos presentes em cada etapa da jornada de compra, aumentamos substancialmente a taxa de conversão.

EcN: Como foi 2019 para a LasKasas? Como fecharam em termos de faturação? Black Friday foi o momento mais alto do ano? 

BAF: 2018 foi o ano piloto para o ecommerce, a fim de procurarmos perceber as necessidades, desejos e comportamentos de compra do nosso target. E claro, refinar o processo. 

O Black Friday, como em tantos outros segmentos, representa uma fatia significativa da faturação. Ao nível das Laskasas, vivenciamos um aumento em mais de 50% face ao período homólogo.

A estratégia com base numa “promoção especial” tem sempre um impacto muito significativo nos consumidores, estratégia essa transversal a vários setores. Clic para tuitear

EcN: Como é que a situação do coronavírus vos afetou?

BAF: O fator Covid-19 veio alterar o panorama dos negócios a nível mundial. Foi um catalisador para o reforço e crescimento dos canais de ecommerce.

Com as lojas físicas fechadas ao público, o online foi o principal canal de venda e comunicação para com o nosso público-alvo. A estratégia com foco em “customer acquisition” foi adaptada, refinada e complementada com novos serviços na loja online. 

O nosso principal objetivo foi o de aproximar ao máximo a experiência ao cliente entre offline e online.

EcN: No período da pandemia, qual foi a principal estratégia de marketing que foi aplicada no sentido de impulsionar as vendas? 

BAF: Aplicamos o serviço de decoração que temos nas lojas físicas na loja online, através de um atendimento personalizado. O cliente podia contactar a nossa designer de interiores e teria todo o aconselhamento necessário para projetar o espaço que idealizou, isto tudo sem sair de casa. 

Outra estratégia utilizada foi a de marketing de influência, que apesar de já ser uma estratégia utilizada pela marca, durante este período teve um papel preponderante na relação com o consumidor. Pedimos a alguns influencers que nos confidenciassem em formato vídeo qual o espaço da sua casa que tiveram que adaptar para fazer face às suas necessidades durante esta pandemia, e os resultados junto do público não podiam ter sido mais positivos. 

Alcançámos um período de crescimento interessante, em mais de 30%, face aos objectivos definidos para o ano 2020. 

EcN: Qual foi a principal lição que retirou de todo o período da pandemia?

BAF: Do ponto vista pessoal, realmente esta pandemia veio demonstrar que não podemos dar nada por adquirido e que temos que ser rápidos na adaptação aos novos desafios

Do ponto de vista do negócio, e entre todas alterações que esta pandemia causou, trouxe a oportunidade dos negócios online vingarem, permitindo aos consumidores satisfazerem as suas necessidades na segurança do seu lar. Muitos consumidores que nunca tinham realizado uma compra online, fizeram-no pela primeira vez, e é daí que devemos retirar a principal lição de toda a conjuntura: o comportamento de compra está a passar por alterações significativas e o ecommerce chegou para ficar. E vai continuar a conquistar, mesmo os consumidores mais céticos. 

EcN: Houve alguma medida que foi adotada em período de pandemia e que pretendam manter?

BAF: Tendo sempre em vista a melhoria da “customer experience”, o serviço de decoração online será certamente algo que manteremos. 

Disponibilizar ao cliente a oportunidade de concetualizar um espaço no conforto de sua casa foi uma das ações que nos trouxe bons resultados. 

EcN: É voluntária no banco alimentar. Os pedidos aumentaram muito? Haveria alguma estratégia de marketing que na sua opinião se devesse implementar para aumentar o número de doações? 

BAF: Atualmente não sou voluntária no banco alimentar, colaboro apenas nas campanhas sazonais com doações. 

No entanto, recentemente colaborei com uma associação local de apoio aos sem-abrigos e pude constatar que apesar de nesta altura muitas pessoas estarem a passar por situações menos favoráveis, os portugueses continuam a ser um povo muito solidário. As doações são constantes e os pedidos de voluntários que querem estar na linha da frente são muitos. Do ponto de vista empresarial, muitas empresas têm apostado no marketing social, querendo deixar a sua marca no mundo ou mesmo na comunidade local. A responsabilidade social é um diferencial competitivo e vejo mesmo como uma obrigatoriedade para as empresas que querem manter-se no mercado.

EcN: Há alguma particularidade do marketing que é feito para a área da decoração e que o diferencie das demais?

BAF: Acredito que o marketing de conteúdo é imperativo no que diz respeito a criar autoridade de uma marca no mercado. As pessoas não querem comprar um produto, elas querem mais do que isso, querem uma sensação, uma experiência e um sonho. Não querem comprar um sofá, mas sim o conforto que o sofá lhes proporciona. É nisso que o marketing de conteúdo da área da decoração se deve focar: entregar conteúdo de qualidade no momento ideal. 

EcN: Qual é a sua previsão para a área do e-commerce em Portugal?

BAF: O ecommerce em Portugal tem crescido ao longo dos últimos anos, e acredito que se manterá assim no futuro. Com a pandemia houve claramente uma alteração na mudança de comportamento do consumidor português.

É assustador pensar que mais de metade das empresas existentes em Portugal não têm qualquer presença online. As empresas portuguesas devem encarar o ecommerce como uma oportunidade de crescimento. O mercado está a evoluir e as empresas devem, certamente, apostar no canal ecommerce como estratégia sustentada de crescimento. A área do ecommerce é cada vez mais uma competência core. 

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram