A concorrência é encarada como um aspeto positivo para os clientes, uma vez que impede as empresas de aumentarem os preços e encoraja a melhoraria dos produtos. No entanto, pode haver demasiadas coisas boas, especialmente quando a exclusividade entra em jogo.

No mercado de streaming de vídeo, onde a Netflix costumava ser o grande jogador, tornou-se cada vez mais fragmentado, com quase todos os aglomerados de media a oferecerem agora o seu próprio serviço de streaming com acesso exclusivo (pelo menos a partes da) à biblioteca de conteúdos.


A NBCUniversal é o mais recente gigante dos media a lançar o seu próprio serviço de streaming: Peacock, com o nome do famoso logótipo da NBC. Os favoritos de sempre da NBC «Friends» e «The Office» estiveram notavelmente ausentes do serviço no lançamento.

Enquanto a indústria da música se afastou em grande parte do lançamento produtos numa plataforma de streaming, a indústria da televisão/filme parece mover-se na direção oposta. Com a Disney, a AT&T e a Comcast a competirem com a Netflix (e a ViacomCBS em breve), a paisagem de streaming de vídeo está mais fragmentada do que nunca, e os consumidores enfrentam a difícil escolha de qual(is) serviço(s) a subscrever.

Infographic: Healthy Competition or Harmful Fragmentation? | Statista

 

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram