A Amazon vai dar aos seus vendedores uma margem de duas semanas para «voltar a estar em forma». Depois de ter suspendido as suspensões de contas devido ao mau desempenho da navegação. A empresa vai novamente a ativar esta regra a partir de 1 de Junho.

A Amazon encerra as contas de vendedores que considera «não estarem à altura», argumentando que o faz para que seu padrão de qualidade não seja afetado. Portanto, se um vendedor acumula reclamações e incidentes relacionados com o desempenho das suas encomendas, a gigante americana encerra a conta.


Devido à pandemia e ao colapso da logística global durante estas semanas, a Amazon tomou a decisão de libertar temporariamente esta política no mês passado. Contudo, já fixou a data de retorno.

Numa nota enviada aos vendedores na passada quarta-feira, a Amazon informa que irá reiniciar a suspensão dos vendedores com elevadas «taxas de falha de encomendas» – entregas tardias ou muitos cancelamentos – a partir do próximo mês.

«A partir de 1 de Junho, vamos reiniciar o rastreio e a execução das contas de vendas com elevadas taxas de cancelamento, taxas de entrega tardias ou taxas de defeitos de encomenda de acordo com os nossos padrões de desempenho estabelecidos», diz a nota. «Quaisquer defeitos no desempenho da ordem que apareçam antes de 1 de Junho não serão utilizados para avaliar a sua conta», afirma o relatório.

A mudança é outro sinal de que a Amazon se está a aproximar da normalidade. Na terça-feira, confirmou que estava a levantar todas as restrições as encomendas não essenciais nas suas lojas, quase dois meses depois de ter suspendido os produtos que não fossem médicos ou domésticos.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram