Consumidores procuram ser prudentes na hora da compra para minimizar o impacto do aumento dos preços

A subida de preços afeta muitos dos portugueses e, para tentar minimizar o seu impacto no dia a dia, os consumidores procuram ser mais prudentes na hora da compra. Segundo o estudo Observador Cetelem Consumo em tempos de inflação 2022, 43% estão a optar por produtos mais baratos, 40% procuram novas formas de poupança e 38% equacionam reduzir a quantidade de compras.

Para fechar o top 5 das estratégias adotadas dado o contexto, 28% dos entrevistados revelam que passaram a escolher produtos de marcas mais acessíveis e outros 28% mencionam que esperam pelos saldos e promoções para fazer as suas compras. 

Observa-se assim que os consumidores estão mais sensíveis ao preço e apresentam hoje um comportamento mais prudente, procurando para já adotar formas de poupança e por comprar menos. Apesar de 1 em cada 3 referir que vai procurar produtos de marcas mais acessíveis, a grande maioria afirma que não optará por produtos de menor qualidade (80%).

Face ao atual contexto, os consumidores esperam também um esforço por parte dos comerciantes

Quando questionados que medidas poderiam ser adotadas pelos comerciantes para evitar maior subida de preços, 42% dos portugueses inquiridos parecem disponíveis para aceitar uma potencial redução da oferta, com menor diversidade de marcas e 39% de produtos. Já as opções de beneficiarem de um serviço de pós-venda mais básico (10%), ter menos assistentes de vendas (9%) ou ter apenas caixas registadores automáticas (5%), sacrificando o atendimento humano e personalizado, não aparentam serem medidas bem acolhidas pelos consumidores. Proteger empregos no país (86%) é, aliás, um dos critérios mais importantes para a escolha de uma marca – a par do respeito pelos Direitos Humanos.

Face à subida dos preços de combustíveis e energia, 22% dos portugueses alteraram ou estão a pensar alterar o meio de transporte que utilizam. Assim, 90% dos que alteraram o meio de transporte passaram a usar os transportes públicos/coletivos e 16% vão optar por combinar viagens com familiares, amigos e colegas.

Portugueses usam poupanças para fazer face ao aumento de preços

De acordo com o estudo Observador Cetelem Consumo em tempos de inflação 2022, 3 em cada 10 portugueses, face à inflação, já usaram ou vão ter de usar as suas poupanças, nomeadamente, os inquiridos entre dos 35-44 anos (33%) e dos 45-55 anos (32%).

Face a esta situação, 28% dos inquiridos revelam também que estão a evitar pedir novos empréstimos com receio da subida das taxas de juro. E apenas 10% confirma um reforço das suas poupanças para um potencial imprevisto, sendo os mais jovens, dos 18 aos 24 anos, (13%) e os residentes na região Centro (16%) os que estão mais dispostos a fazê-lo.

QUER RECEBER NOSSA NEWSLETTER

INSCREVA-SE
Os campos marcados com * são de preenchimento obrigatório
Email: *
Língua: English (English) Português (Portugese) Español (Spanish) *
Nome: *
Empresa: *
Cargo:
Sector:
Aceito receber a newsletter e as comunicações da Ecommerce News de acordo com a Política de Privacidade:
Aceito receber comunicações comerciais:
GDPR logdate ok:
Please don't insert text in the box below!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PODE GOSTAR

POSTS MAIS RECENTES

Pode interessar-lhe

JUNTA-SE A NÓS?

POSTS MAIS COMENTADOS

Scroll to Top