Em abril de 2016 lançaram a sua loja online e desde aí que existe uma preocupação, de pelo menos em Portugal e Espanha, entregarem em 24/48 horas. A Deeply é na sua essência uma loja de material de surf, que já alargou o seu leque de produtos a outros desportos radicais como bodyboard e skates.

Na Ecommerce News Portugal estivemos à conversa com Daniel de Santiago, Head of Digital na Deeply que nos falou sobre o seu negócio, as suas vendas e os surpreendentes picos de vendas.

Ecommerce News: Envios e devoluções gratuitos. Entregas 24/48 horas. Garantia de 1 ano. Como é que esta política aumentou a taxa de conversão?

Como marca digital que somos dentro do grupo Sonae nascemos há 2 anos já com esta abordagem de serviço ao cliente e, portanto, não consigo comparar com taxas de conversão anteriores mas obviamente são incentivos que melhoram a conversão e que cada vez mais se têm vindo a tornar num standard dentro do e-commerce.

Ecommerce News: O que significa «NOT A NEWSLETTER» na sua estratégia de fidelização de clientes?
“Not a newsletter” é uma maneira de expressar a valorização que damos à nossa comunicação com a nossa comunidade, o nosso cliente recebe muito mais do que uma tradicional newsletter. Assim, há benefícios como descontos exclusivos, acesso com antecedência à Black Friday, reparação do fato de surf, acesso a eventos da marca e conteúdo especial para ajudar nos cuidados de manutenção do material técnico.

Ecommerce News: Como fecharam as vendas em 2018?

Em 2018 as vendas de Deeply.com cresceram um 200% comparativamente ao ano anterior, com grande foco no material técnico de surf, e ainda este ano (2019) continuamos a crescer com taxas superiores a 250%, portanto estamos numa curva de crescimento exponencial que assegura o reposicionamento da marca em Portugal através da transformação digital e de uma estratégia B2C na distribuição que é relativamente inovadora neste setor e que é altamente valorizada pelos consumidores.

Ecommerce News: Qual a percentagem de vendas online?
A percentagem das vendas online representa o 80% do total de vendas da Deeply.

Ecommerce News: Que nível de tráfego têm mensalmente?
Atualmente, o tráfego mensal é de 125 mil utilizadores.

Ecommerce News: A estética da página é impressionante. Fotos, vídeos… Viram a conversão aumentar graças a isso? Em Espanha era conhecido como o senhor do «Efeito WOW» pela sua época em Lekue…
Hahaha. Muito bom.
Na verdade, o que todos procuramos é que os nossos clientes digam “wow, a experiência foi espetacular!”. Relativamente ao site a abordagem que temos é com o objetivo de valorizar o produto técnico e expor de forma clara e visual as suas características. A relação qualidade preço é fantástica, produzimos fatos de surf de alta qualidade a um preço espetacular e para mostrar isso ao cliente o nosso elemento chave é a produção de vídeo dentro do próprio site.

Nestes dois últimos anos somos a marca preferida pelos surfistas portugueses e é um orgulho para a Deeply continuar nesse caminho num mercado tão exigente como o nacional.

EcN: Internacionalização: Para quantos países vendem?
O nosso objetivo é ser uma marca global de surf mas no estado atual preferimos concentrarmos em ter o maior impacto possível na União Europeia, que é a nossa casa, e que para já é um mercado importante. Isto vai-nos permitir dar um salto maior no futuro para mercados mais maduros e competitivos como o americano ou o australiano onde temos feito alguns testes muito interessantes.

EcN: Que % das vendas são internacionais?

Se considerarmos como internacionais as vendas fora de Portugal, em 2018, 62% da nossa faturação foi internacional, com Espanha, França e Alemanha como principais mercados europeus.

EcN: Estratégia de marketpleces? Ou de momento não está contemplada?

Para uma DNVB (digitally native vertical brand) o tema dos marketplaces é sempre uma questão “tricky” por causa da perda de controlo da experiência e especialmente por causa da perda de relação com o teu cliente. No caso da Deeply estamos a testar na Amazon e vamos para marketplaces verticais generalistas e de desporto em França.

EcN: Apostam na omnicanalidade?

A Deeply tem parcerias com uma rede de mais de 70 escolas de surf na costa portuguesa, espanhola e francesa. A capacidade de prescrição dessas escolas é gigante e estamos prontos para lançar um projeto omnicanal com algumas destas escolas. Além das escolas temos vários pontos de venda próprios em Espanha e França onde vamos disponibilizar este projeto através da plataforma online como suporte para acrescentar às vendas na loja.

EcN: Momentos comerciais do ano. Obviamente o vosso pico é o verão. Como funcionou e que estratégias de marketing colocaram em prática?

Gosto muito desta pergunta porque o que parece óbvio nem sempre o é. O facto dos principais momentos comerciais do ano acontecerem no quarto trimestre, Q4, e o facto da nossa principal categoria que são os fatos de surf serem para a água fria, fazem com que o pico de vendas seja no Q4 e não no verão. Portanto a espetativa para estes 3 últimos meses do ano é grande.

EcN: Que outros momentos comerciais do ano são importantes? Sexta-feira negra? Natal? Como é que lidam com estas datas?

O momento do ano mais importante é a Black Friday, que na realidade é uma Black Week, mas este ano, e por causa do crescimento contínuo, o Internet Day em maio foi um dia histórico nas vendas da Deeply, quase duplicando o dia da Black Friday do ano passado. Portanto estamos confiantes para a Black Friday deste ano.

EcN: Redes sociais. Apostam fortemente em canais como Facebook e Youtube. Que estratégia desenvolvem nesta plataforma?

As redes sociais são os canais de engagement com a nossa comunidade. É o nosso principal canal de distribuição de conteúdo, que no caso do surf é sempre muito apelativo e visualmente maravilhoso. Há um grande foco no vídeo para criar reconhecimento da marca e lançar ao mercado categorias e produtos chave. E, as redes sociais também são um dos principais pontos de conversa e feedback por parte dos nossos consumidores. Clic para tuitear
De um ponto de vista formal temos os canais oficiais da marca onde distribuímos organicamente, Instagram, Facebook e Youtube e de outro ponto de vista os formatos publicitários que são a chave na nossa estratégia de marketing digital para atrair tráfego qualitativo ao nosso site numa perspetiva de performance.

Além disto, temos uma equipa de atletas patrocinados que competem no campeonato do mundo de surf e que têm um grande volume de seguidores nas suas contas e uma grande capacidade de prescrição e notoriedade que acabam por credibilizar a Deeply e dar visibilidade nas redes sociais.
Por último, lançámos um projeto de micro-influenciadores nos principais mercados, escolhidos para testar a nossa roupa e dar visibilidade aos produtos da marca.

EcN: Sustentabilidade. Aposta importante dentro do grupo. Em que consiste?

A sustentabilidade é um dos nossos valores de marca e um compromisso social. Isto inclui o fabrico dos produtos: roupa com algodão orgânico, fatos de banho feitos com tecido a partir de plástico reciclado, fatos de surf com materiais sustentáveis. E também a organização periódica de eventos associados à limpeza das praias.

EcN: Mobile Commerce: Têm app? Que tráfego recebem desde mobile?
Não temos app e não acreditamos ser um fator relevante no crescimento da Deeply. Só teremos uma app quando este oferecer alguma experiência diferente, algo que acrescente valor na relação do utilizador com o produto. No nosso caso, um fato de surf renova-se entre um a dois anos… A recorrência de compra também não justifica uma app.  Neste ano em media recebemos um 70% de tráfego mobile.

EcN: Qual é o gap entre a visita mobile- venda mobile?
O peso do tráfego mobile é de 70% e o peso das encomendas mobile coloca-se num 50%. Temos encomendas em valores superiores a 170€, numa tipologia de produtos são bastante técnicos e, em que o tamanho tem que assentar como uma luva. Isto significa que metade dos nossos clientes encomendam online produto técnico como é o nosso. Tudo isto através do telemóvel. Acho que isso mostra uma coisa: confiança. Clic para tuitear

EcN: Logística: Com que operadores trabalham e que serviços oferecem ao cliente?

Há um mês que mudamos para a Huub, um novo operador logístico que se posiciona como plataforma intermedia entre merchants e logística/transportadoras, com o objetivo de acrescentar valor e otimizar a operação.
Ainda estamos numa fase inicial, mas estamos confiantes que iremos oferecer mais serviços num curto prazo ao cliente final. Desde o início que entregamos em 24/48 hs em Espanha e Portugal. Entregas e devoluções gratuitas acima de montantes razoáveis, pontos pick up de conveniência para recolha e devolução, e autocolante dentro da encomenda para devoluções simples que melhorem a experiência do cliente.

EcN: Meios de pagamento: Com que operadores trabalham e que opções oferecem ao cliente?

Disponibilizamos os principais meios de pagamento locais, o MB em Portugal, Cartes Bancaires em França, Direct debit em Europa e os principais métodos internacionais: PayPal, Cartões de crédito/débito.
Iremos brevemente disponibilizar express payments que eventualmente deveriam melhorar a conversão mobile e também iremos ofercer os pagamentos fracionados (tipo Klarna) para aumentar o ticket medio e a conversão. Estas ações ajudarão a reduzir o gap entre as visitas e a conversão no mobile.

EcN: Se tivéssemos de entrevistar outro profissional de Ecommerce em Portugal, qual deles nos recomendarias?
Eu recomendaria a Pedro Devesa, Head of Digital da Worten e o Gaspar d’Orey, CEO da Dott.pt

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram