Quantos de nós abrem uma página web e antes de conseguirmos ver o seu conteúdo nos aparece «aceitar cookies»? Muitos de nós aceitam mesmo sem saber o que aquilo significa, pelo simples facto de querermos ver o conteúdo da página que estamos a visitar.

As ferramentas que os profissionais de marketing usam para fazer isso estão a ser ameaçadas à medida que as plataformas trabalham para melhorar a privacidade dos dados e a proteção dos consumidores, ao eliminar as cookies de rastreamento de terceiros.


Atualmente, alguns profissionais de marketing estão a tentar encontrar formas de substituir as cookies.

De acordo com uma pesquisa realizada em fevereiro de 2019 no Reino Unido pelo Information Commissioner’s Office (ICO), o Office of Communications (Ofcom) e a Harris Interactive, o suporte do consumidor para a visualização de publicidade digital em troca de conteúdo gratuito caiu para 63%. Quando os participantes da pesquisa receberam algumas informações básicas sobre como os dados pessoais são usados ​​no RTB (real-time bidding) a percentagem desceu ainda para os 36%.

Dos entrevistados nos EUA em junho de 2019 pelo Pew Research Center, 63% sabiam que as cookies permitem que os sites rastreiem as visitas dos utilizadores e a atividade do site.

Em março de 2020, o Intent Lab da Performics e da Northwestern University descobriram que mais de 7 em cada 10 adultos americanos queriam ver mudanças nos regulamentos no que diz respeito à forma de como as empresas tratam e gerem os dados pessoais dos utilizadores.

Alterações em cookies, IDs de anúncio e regulamentos têm como objetivo o rastreamento

O relatório Identity 2020 explica 3 interrupções significativas ocorridas este ano na forma como os profissionais de marketing identificam utilizadores em ambientes digitais e discute abordagens táticas e estratégicas para o futuro.

A indústria está a caminhar para um futuro sem cookies. Menos de um terço dos profissionais de dados dos EUA testaram e investiram intensamente em novas soluções em maio de 2020 , de acordo com Winterberry Group e Interactive Advertising Bureau (IAB).

Atitudes em relação ao controle governamental de práticas empresariais selecionadas, de acordo com os adultos dos EUA, março de 2020 (% dos entrevistados)
Cerca de 75% dos adultos norte-americanos entrevistados em novembro de 2019 pela Herow disseram que teriam maior probabilidade de compartilhar os seus dados de localização se tivessem uma maneira fácil e segura de controlar a forma de como estes dados eram usados.
Atributos de aplicativos que tornam os adultos dos EUA mais inclinados a compartilhar dados de localização, novembro de 2019 (% dos entrevistados)

Os profissionais de marketing, agências e empresas de media terão que fazer uma escolha, e é simples. Eles podem usar várias soluções técnicas para replicar a cookie ou podem fazer o que os consumidores realmente desejam: obter permissão antes de recolher os dados.

Anne Hunter, chefe de marketing de produto da plataforma de insights do consumidor DISQO.

Como é que os profissionais de marketing e os seus parceiros estão a responder aos desafios de identidade?

Esta resposta tem de ser realizada taticamente e estrategicamente. Muitos deles estão a procurar formas de “substituir a cookie”. O que poderia ser uma proposta condenada se os consumidores não desejassem ser detetados pelos anunciantes.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram