Ontem foi um dos dias mais esperados do mercado online e  que abre as portas à época de compras natalícias: o Single Day, também conhecido como “double eleven” (11.11). Este ano é diferente, como o Grupo Alibaba anunciou há dias, e durará três semanas em três fases: pré-campanha, campanha e pós-campanha. Esta expansão vem em seguimento do foco deste ano nas pequenas e médias empresas, permitindo um maior período de compra mas também para catalogar os produtos e chegar a mais clientes, principalmente na China que foi, obviamente, o maior contribuinte para atingir os 63 mil milhões de euros em vendas. 

Primeiros resultados Single Day 2020

Nos primeiros resultados, pertencentes aos primeiros 11 dias do Festival de eShopping (entre a 00:00h de 1 de novembro e as 24:00h de 11 de novembro) o volume total de vendas ascendeu a 74,10 mil milhões de dólares (cerca de 63 mil milhões de euros).

Isto seria praticamente duplicar o volume de vendas alcançado durante o Single Day 2019, quando as vendas totais ascenderam a 34,692 milhões de euros. É verdade que em 2019 apenas se mediram as vendas do Single Day (que durou dois dias) e em 2020 o período de vendas é muito mais amplo. Se compararmos os mesmos 11 dias de 2020 e 2019, isso significa um aumento de 26% em relação ao ano anterior.

Mais dados: Nos Estados Unidos, a GMV das marcas americanas que participaram no 11.11 deste ano foi de 5,28 mil milhões de dólares. 

«Nos últimos 12 anos, a inovação tem estado no centro do 11.11, que ao longo do tempo se tornou num festival global do consumidor. O 11.11 é definido por consumidores, comerciantes e parceiros de todo o ecossistema Alibaba, e tem o apoio total da sociedade», disse Jiang Fan, presidente de Taobao e Tmall. «Continuaremos a concentrar-nos no desenvolvimento da nossa infraestrutura digital ao serviço da capacitação de comerciantes de todas as dimensões para encontrarem um caminho para o sucesso na economia digital», acrescentou Jian Fang.

O que leva a estes resultados?

  • Recuperação da pandemia
  • Base de consumidores (mais de 8 milhões)
  • A compra mudou: o que as pessoas estão a comprar hoje em dia difere muito do que compravam antes (comida, artigos de luxo, automóveis) e isto é por causa do online.
  • Oportunidade para os grandescomerciantes mas também para os pequenos comerciantes 

O mote para todos os que quiserem sobreviver e crescer no ecommerce é, para Michael Evens, presidente do grupo Alibaba, uma estratégia com vista ao mercado chinês e uma estratégia digital 

Mercado Chinês

O mercado chinês pode parecer assustador, é muito maior que o português (e do que qualquer país da Europa) e a cultura diverge bastante da nossa. Segundo Joe Tsai, Vice Chairman at Alibaba Group, “entrar na China não é difícil por causa do e-commerce, a Internet pode tornar os pequenos negócios globais”. A China é o maior mercado online e o truque para entrar no mercado chinês com sucesso é compreender o consumidor chinês. Para o consumidor chinês as compras e o Singles Day em particular é o momento de “sport and entertainment» (desporto e entretenimento), e necessário envolvê-lo com a marca e criar uma experiência quase imersiva. 

Para vingar no mercado as marcas têm que ser relevantes, “têm que se reinventar todos os anos, na China provavelmente todos os meses” disse Fabrice Megarbane, CEO and President da L’Oreal China. O consumidor cada vez mais pergunta o que está a comprar e porquê” e daí a necessidade de perceber o comportamento e hábitos do consumidor e o que é relevante para o mesmo. 

Destaques do 11.11 Global Shopping Festival em 2020

  • 250.000 marcas participaram no 11.11 este ano, das quais 31.000 eram marcas estrangeiras (fora da China). Destas marcas estrangeiras, 2.600 participaram pela primeira vez no 11/11;
  • 357 marcas emergentes tornaram-se as mais vendidas nas suas respetivas subcategorias. Mais de 1.800 marcas emergentes ultrapassaram a sua GMV do 11.11 no ano passado e, destas, 94 registaram um crescimento de vendas de mais de 1.000%;
  • No âmbito da iniciativa Alibaba Spring Thunder, 1.2 milhões de comerciantes e 300.000 fábricas orientadas para o comércio exterior de mais de 2.000 clusters industriais em toda a China participaram no 11.11;
  • O chatbot da IA para apoio ao cliente geriu mais de 2.1 mil milhões de consultas durante os 11 dias do Festival;
  • Os Estados Unidos foram o país que realizou mais vendas na China por GMV. Outros países que registaram as vendas mais elevadas, por ordem alfabética, são Alemanha, Austrália, Canadá, Coreia, França, Itália, Japão, Nova Zelândia e Reino Unido;

O Festival Mundial de Compras 11.11 começou em 2009 com a participação de apenas 27 comerciantes, como um evento para comerciantes e consumidores para aumentar a sensibilização para o valor das compras online. Este ano, mais de 250.000 marcas estão a participar no evento.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram