Tivemos a sorte de entrevistar a Ângela Lin, Responsável de Desenvolvimento de Negócios do Grupo Alibaba Espanha & Portugal. Com ela falámos da presença do Grupo Alibaba em Portugal, do ecossistema Alibaba e dos planos futuros.

ENTREVISTA

Ecommerce News Portugal: Já se houve falar muito da Alibaba em Portugal. Mas o que é o Alibaba? O que oferecem?

Ângela Lin: A Alibaba é uma empresa global, tecnológica que tem como missão ajudar, ou melhor, tornar um negócio mais fácil em qualquer lugar do mundo, “Make it easy to do business anywhere”. Começou há 20 anos com Jack Ma e 17 outros fundadores e desde o primeiro dia a missão foi essa. Hoje em dia a Alibaba é mais que uma empresa, é um ecossistema que conta com serviços não só de cloud, mas também sistemas de logística, pagamento e commerce, entre muitos outros. Dentro das business units mais conhecidas está provavelmente a Aliexpress, Alipay, Cainiao, Alibaba cloud e claro o Tmall. 

Ecommerce News Portugal: Qual o posicionamento em Portugal? Qual será a aposta em Portugal em 2020 ou em anos futuros?

Ângela Lin: A Alibaba tem como objetivo principal em Portugal ajudar marcas e produtos portugueses a chegarem aos mais de 700 milhões de consumidores chineses ativos na plataforma. Isto através do Tmall e de todas as outras business units de apoio. Hoje em dia já podemos encontrar marcas portuguesas no Tmall como por exemplo Parfois, Mistolin, Azeite Gallo, Super Bock, entre outras. E são produtos realmente procurados pelo consumidor chinês. Consumidores que procuram produtos de qualidade, importados mas que também produtos diferentes. 

Para 2020 e anos futuro irá também depender das marcas portuguesas. Nós estamos abertos a qualquer marca que esteja preparada para entrar no mercado chinês. Cada marca terá a sua estratégia para o mercado chinês, afinal cada produto tem um consumidor específico. Mas é óbvio que queremos incentivar mais marcas a seguir o caminho das marcas que já estão na Tmall mas é preciso que cada marca siga o seu produto, saiba qual o seu ponto diferenciador, ou seja, o seu unique selling point, e qual o tipo de consumidor a que quer chegar e assim definir uma estratégia para o mercado chinês, com a nossa ajuda.

Ecommerce News Portugal: Números. Quantos portugueses estão no Alibaba?

Ângela Lin: Na Tmall, plataforma de ecommerce B2C para o mercado chinês, contamos com mais de 700 milhões de consumidores ativos. Para o mercado europeu temos a Aliexpress, que está mais presente em Espanha do que em Portugal, por exemplo, mas começa já a ter algumas marcas portuguesas.

Ecommerce News Portugal: O Singles Day teve um alcance fenomenal? Tinham previsto que assim o fosse?

Ângela Lin: Chegámos a resultados muito positivos, chegámos a record. Comparando com o ano passado, houve um crescimento de 26% e chegámos a valores de mais de 268 biliões de Yuan em 24horas!

Ecommerce News Portugal:Qual é o compromisso ou visão de futuro da Alibaba para o new retail

Ângela Lin: Para nós o futuro não é o ecommerce. É o new retail, que consiste na completa digitalização do que fazemos, não só online mas também do offline, e integrar ambas as partes para fazer com que o consumidor final tenha uma experiência única e não sinta a necessidade de fazer uma distinção entre estes dois mundos. A Alibaba oferece essa estrutura fundamental. Na China temos o exemplo do Freshippo que funciona como um supermercado inteligente que tem todos os seus produtos digitalizados e que permite ao consumidor final comprar na loja ou em casa e escolher receber em casa dentro de 30 minutos ou ir à loja recolher e isso é uma experiência que já é possível hoje em dia. O consumidor final e principalmente a geração jovem faz isto através de um telemóvel sendo uma experiência em que não distinção entre online e offline. O que pretendemos é fazer com que as empresas tenham essa infraestrutura para poder oferecer aos seus consumidores uma experiência única. 

Ecommerce News Portugal: Que produtos made in Portugal podem ser exportados para outros mercados? Qual é a demanda?

Ângela Lin: Quando pensamos em produtos portugueses pensamos muito no vinho e no azeite. Já há marcas portuguesas destes produtos na China mas hoje em dia o consumidor chinês não só procura produtos importados de qualidade, produtos que não se fabricam na China ou produtos de necessidade diária mas produtos de lifestyle. O consumidor chinês mais do que comprar um produto compra uma história e Portugal já tem várias marcas presentes na Tmall que não são só de alimentação, mas também moda e personal care. Marcas como a Prozis, que vende suplementos alimentares, é uma direcção que vemos o consumidor chinês levar. Cada vez mais compra produtos benéficos para a sua saúde. Entrar no mercado chinês com um mindset de preço não é uma estratégia a longo prazo porque estamos a falar de competir, não só com marcas portuguesas e europeias, mas com marcas de todo o mundo, incluindo as chineses. Portanto é realmente importante que cada marca conheça o seu produto e veja qual é o advalue do seu produto e veja como comunicar esse advalue ao seu consumidor final.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram