Os CTT realizaram terça-feira, dia 21, o 1º webinar «Local Digital», um evento em que se debateu o impacto do digital nas estruturas e dinâmicas locais e onde mostraram ferramentas que ajudam à digitalização dos negócios locais e PMEs.  

Alberto Pimenta, director de ecommerceapresentou os insights e tendências do ecommerce em Portugal e no mundo, especialmente, com o impacto da pandemia. Em Portugal, segundo o Ecommerce Report dos CTT, o comércio eletrónico representou, em 2018, 5 biliões de euros e, em 2019, 5.5 biliões de euros, o representa um crescimento de 17% e, estima-se, 20%, respetivamente. O ecommerce em Portugal teve vindo a crescer de forma sustentada, mas ainda é um mercado relativamente emergente e por isso apenas 3% do total retalho é feito online em comparação com as médias globais que andam na casa dos 11%. Por outro lado apenas 39%, das nossas empresas portuguesas portugueses tem presença online e 27% das nossas empresas vende online. 


Com a chegada do COVID, e as consequentes restrições ao comércio físico, os negócios, especialmente as PMEs viram-se forçados a entrar no online. 

Impacto do COVID-19 no ecommerce e nas PMEs em Portugal 

  • 1º insight: Claro crescimento do ecommerce. Em 2019 durante a peak season existiu um crescimento de 157 %. Em 2020 existe um abrandamento nos primeiros 2 meses, mas com o período de emergência houve um crescimento explosivo de 235%. Esta é uma tendência não só para Portugal, Espanha e outros países têm a mesma tendência e segundo os estudos realizados pelos CTT mostra que o crescimento durante a pandemia foi de 60 a 80% e as expectativas é que este ano a taxa de crescimento seja de 50 %. 
  • 2º insight: Alteração do perfil de produtos comprados online. Ganharam relevância produtos para a casa, higiene, alimentação fitness, eletrónica. Área da moda que pré-pandemia liderava baixou.  Existiu uma alteração nos hábitos de consumo, quem já comprava online passou a comprar com mais frequência, e pessoas que não o faziam migraram para o online. 
  • 3ª insight: aumento do peso do mercado doméstico/ local 
  • 4º insight: reforço do papel dos e-marketplaces. 
  • 5º insight: desafios na logística e entregas. As entregas em casa são a zona de conforto para os CTT, mas o período de pandemia exigiu que fossem feitas com o menor contacto humano possível o que ditou 2 tendências: 
    1. click and collect 
    2. lockers 

As grandes tendências 

  • Maior outsourcing efulfillmment: encontrar soluções alternativas à logística interna 
  • Sameday delivery 
  • OMNICHANNEL: Hoje em dia o cliente exige diversidade de canais o que vai exigir uma maior flexibilidade na cadeia de logística e exige maior cooperação de todos os agentes de ecommerce. 

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram