Quick-Commerce: três passos para garantir entregas em 15 minutos

Impulsionado pelo crescimento das compras online, o Quick-Commerce é já visto como a terceira geração do comércio eletrónico, tendo, nos últimos tempos, conquistado a adesão dos consumidores. É neste sentido que cada vez mais empresas têm adotado esta opção para levarem os seus produtos aos clientes, num período de 15 minutos.

No entanto, apesar da velocidade da entrega ser uma mais-valia para os retalhistas, este é um modelo que não pode ser implementado por todas as empresas, uma vez que traz desafios únicos e que nem todas as empresas estão preparadas para superar.

Perante este contexto, é preciso que as empresas, mesmo antes de avançarem com a ideia de fazerem entregas em minutos, tenham algumas precauções.

A pensar nisso, a Bloq.it, startup portuguesa que desenvolve tecnologia para cacifos inteligentes, apresenta três passos que todas as organizações devem seguir no momento pré-implementação.

1. Perceber se os seus produtos se adequam ao Quick-Commerce

 Nem todos os produtos podem ser entregues à velocidade do quick-commerce, pelo que o primeiro passo para as empresas deve passar por analisarem a sua própria oferta. Desta forma, artigos de grande dimensão, especialmente os que requerem montagem ou instalação, como mobiliário, não são adaptáveis a este tipo de entrega. Por outro lado, pequenos eletrodomésticos, maquilhagem, artigos tecnológicos, medicamentos, artigos de cozinha, produtos perecíveis, e claro, comida, já são categorias de produtos que podem ser considerados.

2. Analisar se os departamentos comercial e tecnológico estão preparados para o modelo

Para que o grande diferenciador deste tipo de modelo seja cumprido – o de levar produtos de um local a outro em menos de meia hora – é preciso que todo o funcionamento da organização seja eficiente. Assim, as empresas devem analisar para que zonas querem entregar, que meios de transporte serão utilizados para o delivery, bem como quais serão os seus parceiros. No entanto, é ainda necessário avaliarem se têm a tecnologia certa para garantir dados atualizados, essenciais para controlar o inventário, o tempo operacional e o cumprimento da entrega. Só a utilização correta da tecnologia permitirá satisfazer as expectativas dos clientes, sem exceder o tempo previsto de entrega.

3. Implementar soluções avançadas de Quick-Commerce

Uma vez que os últimos quilómetros de entrega são a única etapa da distribuição deste modelo, os seus custos têm de ser ponderados, de forma a tornarem-no viável para as empresas. No entanto, esta é normalmente a parte do processo mais dispendiosa, pelo que a entrega feita diretamente à porta do cliente pode nem sempre ser a melhor opção, especialmente se estivermos a falar de um local remoto ou de difícil acesso. Para contornar esta situação, as empresas podem utilizar, entre outras soluções, veículos de entrega autónomos ou cacifos inteligentes, que permitem o click and collect e oferecem uma alternativa à entrega ao domicílio, permitindo ainda garantir os padrões das entregas em alta velocidade.

Estes são apenas alguns passos que devem ser considerados pelas empresas de todos os setores, antes de implementarem um modelo de entregas rápidas. Desta forma, as empresas conseguirão analisar previamente os prós e contras deste tipo de solução, tomando uma decisão ponderada.

QUER RECEBER NOSSA NEWSLETTER

INSCREVA-SE
Os campos marcados com * são de preenchimento obrigatório
Email: *
Língua: English (English) Português (Portugese) Español (Spanish) *
Nome: *
Empresa: *
Cargo:
Sector:
Aceito receber a newsletter e as comunicações da Ecommerce News de acordo com a Política de Privacidade:
Aceito receber comunicações comerciais:
GDPR logdate ok:
Please don't insert text in the box below!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PODE GOSTAR

POSTS MAIS RECENTES

Pode interessar-lhe

JUNTA-SE A NÓS?

POSTS MAIS COMENTADOS

Scroll to Top