Altifalantes inteligentes não são apenas assistentes virtuais, são um canal aberto de conhecimento e influência como nunca antes visto.

Na era do digital, a perda de privacidade é irremediável. É por isso que a única alternativa que nos resta, a nós utilizadores, é tomar uma parte ativa, recuperar o controlo dos nossos dados e tentar lucrar com isso. Nós, utilizadores, passamos anos a dar os nossos dados a empresas em troca do livre acesso a certos serviços e aplicações, mas sem ter consciência do perigo que isso representa. Nas últimas semanas tem havido muita informação sobre os gigantes tecnológicos e o uso que fazem dos dados pessoais dos seus utilizadores. Porque é que a lanterna do meu smartphone precisa de aceder aos meus contatos, e a aplicação de La Liga ao microfone do meu terminal? Porque é que a Amazon grava as conversas dos seus clientes? É verdade que o Google ouve tudo o que dizemos? Sabina Guaylupo, especialista em Lei de Privacidade e Protecção de Dados, explica que «os altifalantess inteligentes, como o Echo ou o Google Home, não são apenas assistentes virtuais. Eles são um canal aberto de informação e conhecimento como nunca antes. E entraram nas nossas casas.» Já para não falar do grande espião que é o nosso telemóvel, que regista todos e cada um dos nossos movimentos.

Mas não se trata de parar de usar estes dispositivos, mas de mudar o paradigma atual para um mais transparente, em que as empresas digam aos utilizadores quais os dados que têm sobre eles, para que os usam e a quem os vendem. «Não quero deixar de usar o Google Maps. O que eu quero é que o Google me diga que informações está a receber e me dê a opção de escolher: se eu prefiro pagar pelos seus serviços ou se eu quero que eles continuem a usar as minhas informações e vendê-las. Mas eu quero ser capaz de decidir«, diz Ángela Álvarez, chefe de User Experience da Mydatamood. E é que estas notícias geram preocupação e desconforto entre os utilizadores, que veem sua privacidade ameaçada e como as multinacionais lucram às suas custas sem poder fazer nada para evitá-lo.

Sim, estão a espiar-nos. Se entendemos espionagem como a análise do comportamento de uma pessoa sem que ela se dê conta de que está a ser observada. As grandes empresas têm acesso a muito mais informação sobre os cidadãos do que imaginamos. Mas o problema não é que as empresas conheçam os seus utilizadores, o que é realmente preocupante é que não podemos saber que dados têm sobre nós, ou para que fins os utilizam. «As empresas digitais e não digitais sabem tudo sobre nós, têm um raio-X completo. Somos nós em zeros e uns«, diz Álvarez.

Quando uma empresa te oferece um serviço gratuito, o produto és tu, eles querem-te a ti. Eles querem saber quem és tu, o que fazes, onde estás, quais são os teus gostos e necessidades… de cada vez que te conectas a um dos seus dispositivos de Internet. Em suma, eles estão a comercializar os seus dados para obter um benefício económico. Guaylupo, que participou na elaboração do RGPD em Bruxelas, afirma que «o que devemos perguntar-nos é se o facto de beneficiarmos de certos serviços digitais gratuitos dá às empresas o direito de poderem utilizar a nossa identidade digital impunemente e com total falta de transparência«.

Inicialmente, o objetivo da recolha desta informação pessoal sobre os utilizadores era proporcionar um melhor serviço. Mas a realidade hoje é que com os nossos dados pessoais eles são capazes de prever o nosso comportamento e desejos e até de distorcer a informação e mostrar como única opção o que querem que nós saibamos. Tivemos a oportunidade de ver como funciona em várias ocasiões, especialmente na esfera política, como nas últimas eleições nos EUA, que deram a vitória a Donald Trump, ou no caso de Brexit.

Um ano após a entrada em vigor do novo regulamento relativo à proteção de dados, que obriga as empresas a informar os cidadãos, mediante pedido, sobre os dados que possuem sobre eles e a utilização que deles fazem, a realidade continua a ser muito diferente. «Por um lado, os utilizadores não sabem muito bem como exercer os seus direitos e, por outro, as empresas mostram-se relutantes em fornecer esta informação. Nós, da Mydatamood, tentamos e nem sempre nos facilitaram os dados«, diz Guaylupo.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram