“Criamos experiências de utilizador que suavizam o atrito”

Mario Cantero trabalha no setor de métodos de pagamento há quase 35 anos e os destaques da sua carreira incluem a sua participação no projecto Mobipay (a primeira iniciativa mundial de pagamento móvel desenvolvida pelo BBVA com a Movistar em 1999) e os seus anos a trabalhar no Santander como responsável global do negócio comercial. Embora a sua história neste setor ainda não tenha terminado.

Um facto que faz parte da sua biografia profissional é a fundação da Card-Dynamics, uma empresa que acaba de angariar um capital de 2,5MM€. Falámos com ele para saber para que será utilizado o dinheiro e saber um pouco mais sobre esta empresa que será lançada no segundo trimestre de 2021 em Espanha, México, Chile e Brasil.

Ecommerce News (EcN): Como surgiu a ideia de criar a Card-Dynamics?

Mario Cantero (MC): Há cerca de 3 anos e meio tive de ir a uma consulta médica numa das zonas mais movimentadas de Madrid. Nesse dia estava a chover muito e quando consegui encontrar estacionamento e fui pagar, descobri que o cartão tinha expirado. Então, lá estava eu à chuva a tentar atualizar o cartão na aplicação.

Foi nesse momento que pensei que a situação era de loucos e que algo estava errado. Assim surgiu a ideia de tornar estes processos mais fáceis para consumidores e comerciantes, e começou o projecto Card-Dynamics.

EcN: O que é a Card-Dynamics e como é que funciona?

MC: Vou explicá-lo respondendo a três perguntas: O que é? Qual é o seu objetivo? Quais são as experiências do utilizador?

O que é? A Card-Dynamics é uma plataforma tecnológica capaz de ligar o mundo retalhista ao mundo bancário para criar experiências de utilizador que ainda não existem. É uma plataforma B2B, o que significa que nunca aparecemos à frente do consumidor e nunca armazenamos os seus dados. Integramo-nos com bancos e comerciantes para facilitar a vida aos seus clientes.

Fazemos isto também porque a pandemia acelerou a economia de assinatura. O que é que nós, na Card-Dynamics, entendemos por economia de assinatura? Referimo-nos a 3 experiências de pagamento:

  • Quando subscrevemos serviços periódicos como a revista National Geographic.
  • Os pagamentos a que chamamos embutidos. Os ambientes de utilização de serviço onde o fenómeno do pagamento quase desapareceu, por exemplo, quando se apanha um Cabify ou se compra um café na Starbucks. Experimentalmente não paga lá, a empresa cobra na sua conta, mas não paga em dinheiro ou ao passar o seu cartão no TPV.
  • Ambientes que oferecem processos de pagamento muito simplificados, tais como o One Click da Amazon.

Estes três têm em comum a necessidade de estarem registados para os utilizar. Criamos experiências de utilizador que suavizam as fricções que podem surgir nestes processos.

Quais são as experiências dos utilizadores?

  • Suponhamos que sou cliente do banco A e que perdi o meu cartão. Enviam-me um novo, mas tem um número diferente e deixa de funcionar em todo o lado em que está registado. O que a Card-Dynamics faz, através do seu banco, é perguntar-lhe se estaria interessado em mudar o número do cartão nas plataformas onde estava registado com a antiga. Obviamente, pode escolher as empresas onde deseja que a mudança de cartão ocorra e pode cancelar aquelas em que não está interessado.
  • Troca de banco porque está insatisfeito com o serviço ou porque recebeu uma oferta atraente de outro banco. O novo banco notifica-o da chegada do seu novo cartão e pergunta-lhe se está disposto a migrar as suas subscrições do antigo banco para o novo banco. Tudo isto seria feito através da Card-Dynamics.

Isto é de grande valor para o consumidor que vê os seus processos simplificados, mas também para o comerciante que não está interessado em ter um cartão que não funciona.

  • Outra experiência baseia-se no facto de que os bancos têm normalmente ofertas continuas para os seus clientes. Por exemplo, o seu banco chega a um acordo com a Amazon e se subscrever a Amazon como cliente desse banco, obtém o Amazon Prime durante dois meses. O banco envia-lhe uma notificação e informa-o sobre a promoção. Graças à Card-Dynamics, ao clicar nele, o formulário Amazon abre-se, completo com toda a informação que o banco tem sobre si. Uma forma rápida e fácil de se registar.

Para os consumidores é bom porque simplifica o processo e as empresas encontram-se com um novo canal para a aquisição de clientes, os dados de qualidade e os meios de pagamento que serão registados são seguros.

  • O banco recupera desta forma o diálogo com os clientes, algo que se tem vindo a perder com o aparecimento de métodos de pagamento como o PayPal ou o Gpay. Visto do lado do comerciante, este poderia incorporar graças à Card-Dynamics e os bancos podem criar o seu próprio botão de registo juntamente com o Facebook ou Google. Os utilizadores escolherão a opção de se registarem através do banco, selecionar o seu banco a partir de uma lista e consentem o acesso aos dados para efeitos de registo.

EcN: Então, quem é o vosso cliente?

MC: Tanto os retalhistas como os bancos têm de ser integrados, pelo que ambos são nossos clientes. Na última solução que expliquei, o nosso cliente é o comerciante. O banco é o fornecedor de dados. No entanto, no resto, ambos pagam porque ambos beneficiam.

O facto de não sairmos à frente do consumidor é uma questão de design e de filosofia da empresa. Os consumidores não são nossos clientes, eles pertencem ao banco e ao comerciante.

EcN: O que planeia fazer com o dinheiro da ronda de investimento?

MC: O dinheiro da ronda de investimento será utilizado principalmente para 2 fins. Em primeiro lugar, continuar com o desenvolvimento de produtos. Segundo, para aumentar os recursos comerciais que temos nos mercados onde estamos presentes e poder chegar ao Equador e ao Peru.

Temos muitos contratos assinados com bancos e empresas, mesmo com PSPs. Mas são processos longos, porque todos eles têm de ser integrados e testados. Já fechámos acordos com 19 bancos em todos os países em que estamos presentes.

EcN: Quais são os requisitos para incorporar a Card-Dynamics e como é o processo?

MC: Fazemos a devida diligência na parte dos bancos e na parte dos comerciantes, para assegurar a confiança entre as partes. Os comerciantes na plataforma têm de gostar dos bancos e vice-versa.

O comerciante tem de integrar um API, para o registo dos utilizadores. Isto leva aproximadamente três semanas para se integrar. O PSP do comerciante também tem de ser integrado e leva mais ou menos o mesmo tempo.

O mais complicado são os bancos. Também têm de se integrar com um API, mas têm de desenvolver ou integrar a experiência do utilizador no seu ambiente de app ou web. Os bancos estão em constante atualização e esta integração está na lista.

EcN: Quais são os benefícios que pode trazer a um comércio eletrónico?

MC: Para os dois primeiros serviços, a promessa ao comerciante é que nunca perderá uma transação de venda por causa de um cartão que não funciona. Nos outros dois serviços, que provêm do banco, é para gerar um novo canal de aquisição de clientes.

As soluções 3 e 4 fazem com que o comerciante tenha dados de alta qualidade, o que é crítico para eles.

EcN: Há pouco disse que já fechou alguns contratos, com que empresas o fez ou a que setores pertencem?

MC: No mundo da mobilidade temos dois, no mundo do streaming também temos dois, e no setor dos Marketplaces temos dois.
Temos outro muito interessante que está a transformar o mundo das máquinas de vending numa economia de subscrição.

EcN: Porque escolheu os países latino-americanos para a sua expansão internacional?

MC: Há três razões para isso. Na Europa, o que pagamos por débito direto é normalmente pago por cartão. Por outro lado, o Brasil é o país número um no mundo em termos de capacidade de absorção da inovação digital, lançou o real payment a 30 de novembro e tem dezenas de milhões de utilizadores. Finalmente, o presidente da Card-Dynamics é brasileiro.

EcN: Alguma novidade que vai apresentar nos próximos meses?

MC: Uma vez criada uma plataforma que ligue os comerciantes aos bancos, a quantidade de produtos que pode criar é infinita, mas não lhe posso contar nada de concreto.

EcN: Desafios para 2021?

MC: Os principais desafios são ter clientes estáveis e receitas recorrentes nos 4 países para saltar para o resto da Europa e Estados Unidos no próximo ano.

QUER RECEBER NOSSA NEWSLETTER

INSCREVA-SE
Os campos marcados com * são de preenchimento obrigatório
Email: *
Língua: English (English) Português (Portugese) Español (Spanish) *
Nome: *
Empresa: *
Cargo:
Sector:
Aceito receber a newsletter e as comunicações da Ecommerce News de acordo com a Política de Privacidade:
Aceito receber comunicações comerciais:
GDPR logdate ok:
Please don't insert text in the box below!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

PODE GOSTAR

POSTS MAIS RECENTES

Pode interessar-lhe

JUNTA-SE A NÓS?

POSTS MAIS COMENTADOS

Scroll to Top