Aproximadamente 20% dos portugueses gostam de oferecer tecnologia no Natal. Telemóveis, portáteis, computadores de mesa, jogos, acessórios, tablets, assistentes de voz… hoje em dia os utilizadores passam muitas horas a comparar diferentes produtos para decidir. Não é uma compra tão impulsiva. Como se conquista esse consumidor durante estas férias? Aqui teremos alguns dos melhores exemplos do país no comércio eletrónico.

O evento foi patrocinado por Correos ExpressTradedoublerPacklinkRajaAmvos Digital e IPAM; a quem agradecemos pelo seu inestimável apoio, sem o qual este evento não teria sido possível.

O Sector Tech na Campanha de Black Friday e de Natal

Com o aumento das restrições, é obvio para todos os participantes que estamos a caminhar no sentido de março e abril e que este ano a Black Friday e, muito provavelmente o Natal, serão online. A diferença será a preparação que trazem dos meses anteriores. «Novembro e Dezembro vão ser dois meses muito interessantes para o online e o mercado português está pronto para corresponder às necessidades» revela Paulo Pimenta, CEO e Ower do KuantoKusta.

«A Black Friday vai ser o resultado de um ano que tem sido completamente atípico para o ecommerce em Portugal e principalmente na área de tecnolgia, crescemos num ano o que se calhar levaria anos em termos de maturidade» acrescenta Bernardo Rebelo, eCommerce Manager & Head of Digital na Staples Portugal. A primeira quarentena foi um período de teste para as marcas e para aprender os interesses e atitudes dos consumidores, «na ausência dos produtos mais baratos, a necessidade acaba por superar o preço» diz o orador. E se, por um lado, não é um bem de primeira necessidade e as pessoas podem deixar para comprar depois, por outro estas épocas de baixa de preço são o «depois» e são vistas como uma oportuinidade pelo consumidor para obterem esses produtos. A própria visão do consumidor da Black Friday tem mudado, e se em 2017/2018 era um ‘acessório’ «hoje há um maior acompanhamento por parte do consumidor: colocam produtos nos favoritos, comparam preços, pedem informações,…» comenta Paulo Pimenta.

Em relação aos problemas que se anteveem para esta Black Friday e Natal estarão à volta dos prazos de entrega e das cadeias de fornecimento mas acima de tudo o stock, os mercados estão mais fechas e a produção pode variar. Na PcComponentes a campanha de Black Friday será forte mas será diferente, mais longa «para acompanhar os picos de compra e para que do ponto de vista de entrega e logistica se simplifique um pouco» explica Alexandre Santos, Country Manager Portugal na empresa.

Apesar da preocupação com os aspetos mais práticos da venda online, nesta campanha de Natal e Black Friday é preciso olhar à captação da atenção do cliente. Antes da pandemia era cada vez mais difícil consegui-lo, atualmente com todas as marcas a entrarem no online será um desafio. Compreender como o e-shopper se comporta é a chave secreta para uma campanha bem sucedida. «É importante que as empresas estejam preparadas para o digital. Na Samsung nós verificamos que cerca de 80% dos e-shoppers chegam através do mobile e sendo o mobile uma ferramenta vasta é muito importante comunicar com ele através deste equipamento que está na sua mão e que a mensagem seja muito mais personalizada» responde o Head of E-Commerce na Samsung Electronica Portuguesa.

Alexandre Santos reforça dizendo que «a quem se vai enviar e o quê, ou seja, a personalização é fundamental. Na PcComponementes temos um departamento para análise de dados e para fazer chegar a informação certa ao grupo certo e isso tem-se revelado essencial. O dono dos dados é o que está mais apto a chegar ao clientes«.

Ao longo desta mesa redonda pudemos aprender com e como as grandes marcas no sector de consumo de eletrónica estão a abordar esta campanha de Black Friday e de Natal. Um ano atípico mas seguramente uma oportunidade para todos aqueles que estão online.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram