Somos, na Europa, os que mais nos retraímos nas compras online por preocupações com a segurança do pagamento. O estudo da Eurostat questionou os cidadãos da UE sobre a confiança na Internet para fazer compras on-line. Os últimos dados do inquérito sobre a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) em hóteis e por indivíduos lançam alguma luz aqui. Uma razão pela qual as pessoas não compraram ou encomendaram bens ou serviços através da Internet nos 12 meses anteriores ao inquérito foi a segurança do pagamento ou preocupações de privacidade, tais como a utilização fraudulenta dos detalhes do cartão de pagamento. E os portugueses foram os que menos compraram com mostra a imagem abaixo. 

Segundo a Eurostat, as preocupações de segurança de pagamento ou privacidade impediram 6% dos indivíduos entre 16 e 74 anos de idade de comprar ou encomendar pela Internet em 2019, um ponto percentual a menos do que em 2017 (7%) e cinco pontos percentuais a menos do que em 2009 (11%). Isto representa uma tendência descendente ao longo da última década.

As preocupações com a segurança dos pagamentos foram a segunda barreira mais frequente reportada em 2019, seguindo uma preferência por comprar pessoalmente (18% dos indivíduos na UE). Entre os Estados-Membros da UE, a percentagem de pessoas que consideraram a segurança dos pagamentos uma preocupação variou muito em 2019 – variando entre 1% dos indivíduos na Estónia e 23% em Portugal. Dos 28 Estados-Membros (que ao momento do estudo incluía o Reino Unido), só 5 estados apresentaram uma taxa superior a 10%, sendo estes Portugal, Espanha, Hungria, Finlândia e Chipre.

Outras barreiras, como a falta de competências, preocupações de confiança na recepção ou devolução dos bens, ausência de cartão de pagamento ou dificuldades de entrega desencorajaram menos de 5% dos indivíduos na UE a fazer compras online.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram