Lisboa abriu portas ao Portugal Digital Summit durante os dias 22 e 23 de outubro. O evento é dedicado ao processo de transição digital e os oradores do painel ecommerce marketing indicaram as ferramentas, soluções e opções tecnológicas que estão a potenciar as taxas de conversão no ecommerce e que, ao mesmo tempo, podem contribuir para reduzir os índices de devolução.

Os chatbots, também conhecidos como assistentes, assistentes virtuais, entre outros nomes, são uma dessas soluções que podem ajudar ao aumento das vendas, da satisfação do cliente e redução de custos. Podem ser utilizados em diferentes contextos como recursos humanos, marketing, apoio ao cliente (cada vez mais) e ecommerce e estão disponíveis em canais como os sites, Facebook, Skype, Whatsapp.

Os mais famosos são provavelmente a Siri, Alexa e Google Now e desmistificaram o que são os chatbots. As pessoas já não têm medo de falar com os chatbots, algumas até se sentem mais à vontade em certos setores como por exemplo no bancário.As empresas devem começar a investir nos chatbots, aos poucos começar a testar o que funciona no seu negócio” ressalta Fernanda Vasconcelos, Chief Marketing Officer na Impacting Group.

Para Fernanda “os chatbots são o futuro e já o são hoje”. É preciso olhar às suas características e como aproveitar ao máximo estas tecnologia. Existem dois tipos principais de chatbots: por automação (interação através de opções) e por inteligência artificial (bot tem que compreender e interpretar a frase que é). Os chatbots também podem ser utilizados para recolha de dados e para compreender melhor o consumidor, o que ele quer e as plataformas que mais usa. O que consumidor usa e onde está no online são as ferramentas a ser trabalhadas pela empresa de forma mais eficaz possível para atrair o cliente e aumentar a conversão.

Se o cliente procura vídeos para saber mais informação sobre o produto, a marca deve disponibilizar vídeos com essa informação. Se o cliente está no mobile a empresa também deve estar. Clic para tuitear Contudo há que ter em conta a utilização que dá a cada canal. Pedro Pinto, E-Commerce Business Director do Continente afirma que “a conversão não é apenas online. Muitos têm intenção de comprar online, mas existe outra franja que tenciona comprar na loja física. Cerca de 85% da pesquisa mobile é “onde comprar…”.

João Nunes, Chief Innovation Officer na Havas Portugal apresentou as expectativas do cliente em relação às marcas “73% espera que as empresas compreendam as suas necessidades e expetativas mas só 51% diz que as marcas percebem, enquanto 62% esperam adaptação da empresa às suas necessidades expectativas

O que podemos fazer para ir de encontro às expectativas dos consumidores? João Nunes deu-nos uma lista do que ter em conta:

  1. Forma como fazemos o upsell e cross sell dos produtos
  2. Integrar de forma correta o social commerce: 87% dos consumidores que compram online dizem que as redes sociais ajudam a tomar decisões de compra
  3. Como reduzir carrinhos abandonados:
    • Transparência total com o consumidor: apresentar o custo de shipping antes do check
    • Não exigir a criação de uma conta: oferecer uma guest check out
    • Dar oportunidade ao consumidor de voltar e terminar o processo
    • Torne mais fácil para os seus clientes obterem o que querem: Através de personalização, investir em UX/ UI e testar
  1. Usar o Live chat para criar engagment com os visitantes da loja online
  2. Click and collect: junta a conveniência e a confiança da loja física
  3. Otimizar para mobile. Conselho: preciso realmente duma app?

João Nunes termina com a pergunta “what is next?Para o Chief Innovation Officer o futuro é a realidade aumentada e a voz mas na sua opinião o futuro já está aí e estas são áreas em que já devíamos dar cartas.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram