O uso generalizado das novas tecnologias e a mudança de comportamento ao nível social que isto significa, tem levado ao surgimento de novos consumidores, com comportamentos muito variados. Nos últimos anos, esta alteração de comportamento também afetou as compras em segunda mão. O novo consumidor responde a um perfil mais tecnológico, informado, especializado, hiperconectado e comprometido.

De acordo com um estudo realizado pelo vibbo, o perfil típico do consumidor de segunda mão é de um homem ou mulher de 35 anos, em média, com alto nível socioeconómico e que se preocupa com o meio ambiente, com pequenos gestos como reciclagem, uso de lâmpadas de baixo consumo, etc. Num ano, podes gastar até 1.236€ em média.

Quando se trata de comprar, fá-lo principalmente online, em 58% dos casos a partir do seu telemóvel e, acima de tudo, procura qualidade a um preço acessível. Geralmente consulta o que é vendido mais de uma vez por semana e, embora compre principalmente objetos eletrónicos, gasta mais dinheiro em artigos de lazer e desporto, podendo comprar até 4 artigos por ano.

No entanto, por detrás desta descrição do consumidor típico podemos encontrar muitos comportamentos que podemos diferenciar:

  • O consumidor racional: compra apenas o que precisa e fá-lo com a cabeça, cuidando do seu bolso e buscando qualidade no que compra. Normalmente, ajusta as suas compras a um plano previamente estabelecido sobre quanto está disposto a gastar, e tenta limitar o seu consumo a esse valor. Ele nunca compra sem antes se perguntar se precisa desse produto, a racionalidade geralmente vem antes do preço ou da marca do que ele quer comprar.
  • O consumidor compulsivo: procura dar emoção à sua vida através das compras. Compra sem medida, qualquer coisa, seja para si mesmo, para a sua família ou para os seus amigos, sem pensar duas vezes e sem analisar se ele realmente tem necessidade. Isso faz com que ele se sinta culpado ou com remorsos mais tarde por não tem controlo sobre os seus gastos.
  • O consumidor oportunista: apesar de ter pouco tempo, vai sempre procurar produtos que considera « pechinchas » para o seu preço-qualidade. Ele não quer privar-se dum capricho, mas ao mesmo tempo não quer gastar muito, então encontrar um bom preço e regatear será uma prioridade para ele.
  • O consumidor cauteloso: é aquele que nunca tem informação suficiente antes de fazer uma compra. Antes de decidir, precisa de comparar em muitos outros sites para se certificar de que recebe o melhor preço.
  • O consumidor perfeccionista: como outros perfis, antes de fazer qualquer compra precisa de consultar todos os sites e opiniões de produtos que pode encontrar, mas neste caso, não com uma finalidade económica, mas para garantir que está adquirindo o melhor produto. Necessita conhecer a ficha técnica dos produtos, consultar informações nos fóruns … tudo com o objetivo de garantir que obtém o melhor produto.
  • O consumidor profissional: Compra em segunda mão, não por necessidade ou oportunidade, mas por convicção. Experimentam uma grande rejeição do consumismo desenfreado, considerando-o responsável em muitos casos pelo impacto ambiental.

Este estudo baseou-se numa amostra de 3.127 entrevistas online realizadas com uma amostra representativa da sociedade espanhola através da metodologia da NetQuest, uma empresa especializada em pesquisa de mercado em Portugal, Espanha e América Latina.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram