Huawei tem sido frequentemente acusada de colocar em risco a segurança nacional dos EUA, e os funcionários americanos receiam que possa permitir a espionagem chinesa.

«Huawei é um risco de segurança nacional e tem estado envolvido em actos inaceitáveis como o encaminhamento de informação de rede para o governo chinês«, disse o antigo CEO do Google Eric Schmidt. «Não há dúvida de que a Huawei se envolveu em algumas práticas que não são aceitáveis na segurança nacional«, disse Schmidt num documentário a ser transmitido na rádio BBC. «Não há dúvida de que a informação dos routers de Huawei finalmente acabou em mãos que parecem ser o Estado«, acrescentou ele. «No entanto, isso aconteceu, temos a certeza que aconteceu«.


O gigante das telecomunicações tem sido frequentemente acusado de representar um risco para a segurança nacional dos EUA, e os funcionários receiam que possa permitir a espionagem chinesa. Washington exerceu uma pressão significativa sobre os aliados para impedir a Huawei de aceder às suas redes móveis 5G de próxima geração. O Reino Unido está agora a rever uma decisão para permitir à empresa um papel restrito na sua implementação 5G.

Os peritos dizem que Huawei não teria outra escolha senão entregar os dados da rede a Pequim se solicitados devido à espionagem chinesa e às leis de segurança nacional. Mas Huawei tem repetidamente negado acusações de estar a passar dados para Pequim e insiste que é independente do governo. A empresa respondeu aos comentários de Schmidt questionando a sugestão de que deveria entregar os dados dos clientes às autoridades chinesas.

«As alegações feitas por Eric Schmidt, que agora trabalha para o governo dos EUA, simplesmente não são verdadeiras e, como no passado, não são apoiadas por provas«, disse o vice-presidente de Huawei, Victor Zhang, à CNBC. Schmidt, que dirigiu o Google de 2001 a 2011, é agora presidente do Conselho de Inovação da Defesa do Pentágono. Na sua entrevista com a BBC, disse ter tido anteriormente «preconceitos» sobre a China, tais como a crença de que as empresas tecnológicas do país são «muito boas a copiar coisas«. Acrescentou que estes preconceitos agora «precisam de ser eliminados«.

«Os chineses são tão bons, e talvez melhores, em áreas chave de investigação e inovação como o Ocidente«, disse Schmidt ao radiodifusor estatal britânico. Exortou os países ocidentais a acompanharem o ritmo da segunda maior economia do mundo, investindo mais no financiamento da investigação, assegurando uma maior colaboração público-privada e mantendo-se abertos aos talentos internacionais.

Esta não é a primeira vez que Schmidt comenta a China. Em 2018, alertou para uma «bifurcação» da Internet em dois modelos separados: um gerido pelos Estados Unidos e o outro pela China. Também admitiu defender o trabalho do Google na China quando este se retirou originalmente do país. O Google rejeitou planos para lançar um motor de busca censurado na China em 2018, após a indignação dos funcionários.

Mantenha-se informado das notícias mais relevantes em nosso canal Telegram